Cerveja de pinhão sustentável terá safra 2016

Cerveja de Pinhão.jpg

Vendas tiveram aumento de 120% no ano passado; Semente da araucária foi extraída segundo padrões que permitem a conservação da floresta nativa

Uma cerveja produzida no Paraná feita de pinhões coletados de acordo com padrões sustentáveis que protegem a Floresta com Araucárias ganhará mais uma safra em maio. A bebida é produzida com insumos do Araucária+, iniciativa da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza com a Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (CERTI), de SC. O objetivo dessa iniciativa é conservar a floresta agregando valor aos produtos extraídos dela – como o pinhão, que é a semente da araucária e a erva-mate, planta nativa dessa ecossistema e a partir da qual são feitas várias bebidas consumidas em todo o país.  A iniciativa beneficia os produtores que seguem o padrão sustentável indicado, que inclui orientações de coleta das pinhas, entre ouras ações de manejo responsável das áreas naturais das propriedade.

 Cerveja de Pinhão 2

Segundo o gestor da cervejaria Insana, Pedro Reis, a receptividade do mercado à cerveja de pinhão superou as expectativas. “No ano passado, quando aderimos ao Araucária+, tivemos um aumento de 120% nas vendas da cerveja comparando com 2014”, afirma. Reis acredita que isso se deu pelo fato de já no rótulo constar que a bebida é produzida de forma sustentável. “Esse grande aumento nas vendas confirma que o consumidor valoriza a redução do impacto no meio ambiente por isso esse ano continuaremos com a parceria.”, destaca.

 

Guilherme Karam,  coordenador de estratégias de conservação da Fundação Grupo Boticário, explica que a iniciativa atua tanto na cadeia produtiva do pinhão como também da erva-mate e possui papel fundamental em mostrar que é possível unir conservação e geração de renda. “Os produtores que se comprometem a seguir os padrões sustentáveis, como não realizar queimadas nem extrair as pinhas verdes, recebem cerca de 30% a mais pelo quilo do pinhão, além de contribuir para a redução do impacto gerado nas florestas nativas. É uma lógica em que todos saem ganhando”, completa Karam.

 

Outra medida importante citada por Karam é que os produtores devem deixar 20% das pinhas nos pinheiros para não prejudicar a disponibilidade de pinhão para aves e roedores. Essa atitude também permite a regeneração natural da floresta.

 

Segundo Marcos Da-Ré, diretor do Centro de Economia Verde da Fundação CERTI, o modelo inovador do Araucária+ está demonstrando ser efetivo na prática. “No Araucária+, os produtos que utilizam insumos da Floresta com Araucárias geram retorno não somente para as empresas compradoras, mas também benefícios para os produtores rurais e para a própria floresta. É um modelo inovador de desenvolvimento regional sustentável, que pode ser aplicado a outros ambientes naturais brasileiros”.

 

No mercado

A nova safra da cerveja de pinhão, que é produzida sazonalmente, apenas quando a extração do pinhão é autorizada (início em abril), deve chegar aos supermercados entre o final de maio e início de junho. Para 2016 serão envasadas 45 mil garrafas, que têm como destino principalmente os mercados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Cerca de 800 kg de pinhão provenientes do planalto serrano de Santa Catarina serão utilizados na cerveja.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s